inéditos em livro

publicados em revistas ou antologias

BERENICE ABBOTT | wave patterns

incendiário
só o incendiário habita este mapa | onde cada limite inaugura | o decifrável e o indecifrável \\ só o cavalo incendiado | de crina acesa | fúria veloz | sob o arqueiro | aquém da corda solar ou seta: | esta pauta | corola sob a lua incendiada | e as patas queimam \\ cada nome | sonoro | luminoso | crepita entre as cartas | inventa | intervalo por intervalo | o arqueiro | a seta | dentro do som | e esta paisagem | esta | onde perambulamos | com fiapos de história | vozes inflamáveis | cheios | de estranhas cartografias | imanências \\ e só o incendiário | está aqui | no rude espaço da respiração | no rude espaço onde a respiração entorna | cifra por cifra | e até a fala | queima

ínfima lavoura
apalpo esta cidade branca – distância pouco a pouco calcinada – (entre o) corpo aberto, à revelia das tocaias, (e o) país sem nome. | entro na cidade estrondo. não só dos mortos. que se acumulam brandos. não só dos mapas. em casas subterrâneas. | exibo o frágil. na trilha movediça (entre os) cicios e o campo de batalhas. e aqui na minha testa, escrito em brasa. | estendo um mapa da cidade sopro. e arremesso a cifra – ínfima lavoura – entre a nudez e o incomunicável.

o nome
Como o sumo de uma fruta improvável | Como a cena oculta contra a música de fundo | O nome encarna a parte azul do fogo | O nome acende laranjas frescas | O nome é o disco solar e acolhe | a coroa de flores, a dança dos dervixes | O nome é a escada no sono dos bichos | O nome é úmido e queima | O nome é o poço de água limpa aos tuaregues | O nome é a distância, a tenda e a pele | O nome é maciço como um punhado de areia | O nome é um estrondo, a sinfonia arcaica | O nome é uma pauta de animais aéreos | O nome é a única nudez, a inatingível | O nome não está aqui | O nome é isto

entre o instinto e a arquitetura
Somos orla | De toda forma | Aquática | Como anseio fluvial | No espaço | Marítimo | Ancestral esta boca | Que te engole até o íntimo | Cada artifício | Que as paisagens corpóreas multiplicam | Sob o antigo continente | Sanguíneo | Entre o instinto e a arquitetura | Água incandescente | Ondas ígneas | Corolas | Ainda mais velozes do que isso | Entre cada nome e o seu | Correspondente não dito

E TUDO RESISTE À FORJA
Pluma, atalho, água e fumo: vida curvilínea. | O perfume emoldura o mistério. | O que sobe e some. Rastro de toda intriga: da violência ao êxtase. | Digo: o comediante, o de língua ágil | Fala contundente. A cantora lírica. O tira-dentes. | A trapaça do homem triste. O zunido da vespa. | A beleza. | A que entorna | Silêncio. | Cheio | De agulhas luminosas. Cristais elétricos. | Jorro. | De algo pleno. | E leve. | O suposto infinito | Entregue | Na coleção de cifras. Toda matéria | É um ponto dolorido. | E esvaece. | Filigrana de uma sensação aberta. Por exemplo, esta. | Que se inventa dentro | Da ferida aberta. | Som-desenho. Sílaba. Som dentro da cabeça. | Espiral de filigranas | Como um credo. | Barca-ilíada. Espelho | | |  O próprio corpo, como toda travessia, dentro | (Da sensação aberta). | Pele. Como livro. | Amálgama de ilegíveis. De espaço e pulso. | Onde o fluxo | De sangue | Altera ||| O tom. | E chove. Dentro do sonho. Chove.| O pássaro flutua. Na pauta entre os dedos. ||| Antes do voo (o voo). Antes da música (a música). | E TUDO RESISTE | À FORJA. | Destrói sílabas. Burla | Cada linha úmida | De pele a pele. ||| Até que o sangue menstrual encharca a cidade. | E estamos lúcidos. | A vida sibila. Depois perfura | A terra. | Dorme no poço | Como a deusa | Agora talhada em pedra. | Perto dos papéis | Balofos de clareza. | Há muita elegância | Nas megalópoles | Sobre o cancro. Sobre a lepra. | As pálpebras abertas | Entre as mandíbulas | Carne violeta. ||| Dor onírica | De uma dor. ||| Em carnadura exuberante. | A própria pele. | A própria pele. | Enquanto as luas se cruzam em falhas barulhentas. | O esquecimento traz martelos. | Estribilho. | Das perdas. Dos espaços desolados. ||| Um encanto impreciso contorna outra música. | Uma elegia canta outro mistério. | Ponho a concha do ouvido | Na tua boca:  (     ) Digo: Fica, fica. | Faço um furo neste canto. | A morte é a sombra do fio que ele deixa | Passar.

beira do mundo
“O fogo acabará por consumir a própria fornalha” – John Donne. Baralho de sílabas na “mesa de águas”. Suave é o barulho das “marcas marinhas”/nesta fornalha incendiada. O dialeto/ deste país marítimo. Asma/ a debulhar delírios/na ilha sem margens. PORQUE TUDO O QUE É VIVO ESCAPA. Com este brilho sonâmbulo de tudo o que é vivo. Pele. Pluma. Manada – em fuga – (acende) n’água/o que cai, sílaba a sílaba. Até esta asa. De ave ancestralíssima. Rasgo dentro da espuma. Da nudez inatingível. Baralho incendiário/dentro do jogo incendiado. Como os degraus que caem/ enquanto subimos. //Aos abismos aéreos. [Mas é justo falar do de cima, se o de baixo nem sabe onde colocar os pés? – Hilda] À beira de tudo o que queima. Beira. [“Eu sou a beira do mundo.” – Estamira] De tudo o que respira – ferido e ofegante – neste campo. Branco e de flores brancas. A rolar dentro do escuro. [“Reino dos bichos e dos animais é o meu nome.” – Stela do Patrocínio] Como laranjas frescas derrubadas/ de uma cesta. A rolar. Dentro/ da máquina/ de luz. Olho aberto. Colher. Recipiente/alquímico. Ilha de miragens. Sem margens. O que está aberto./Aberto. [“Romper a linguagem para tocar na vida” – Artaud]. Casa líquida. Entre a ruptura/ e o tempo-réptil/no templo sem muralhas. //O que é fecundo. Crepita.

PDF AQUI

Anúncios