Sexta da Paixão

Depois de seguidas humilhações, que incluíam testes de confirmação de virgindade, a Igreja condenou Joana de Arc. A adolescente de 19 anos de idade foi queimada numa fogueira em praça pública.

Enquanto era consumida pelo fogo e pelos gritos de “bruxa”, “herege”, “blasfema”, ela repetia “Jesus, Jesus, Jesus”.

FOTO: Cena de O Martírio de Joana D’Arc, filme de Carl T. Dreyer. Joana foi interpretada por Maria Falconetti, atriz que morou no Brasil fugindo do nazismo.

ANTES QUE SE ROMPA O FIO DE PRATA, título do meu segundo livro, é de um verso do livro de Eclesiastes:

“Antes que se rompa o fio de prata e se despedace o copo de ouro e se quebre o cântaro junto à fonte e se desfaça a roda junto ao poço e o pó volte à terra e o espírito retorne à sua origem…”.

Gosto de repetir minha tradução etimológica da palavra espírito: aquilo que é invisível e vital como o sopro (a respiração). E somos nós a realização do instrumento de sopro que dá o tom à trilha sonora da presença.

Isto: a presença de espírito. É onde se formam os territórios do possível e os da utopia. Quando o sopro e o som das narrativas riscam uma cartografia no que antes era informe. Eis a gênese do mapa inaugural das representações: espelho do país sem nome.

E por isso é preciso reler as frestas e as margens nos textos modelares e reescrever os mundos possíveis. Tomar no próprio corpo as histórias, verter de outra forma (não violenta) “a Palavra / quebrada no meio de um crânio”. Refazê-la no canto criador.

Por isso reencontro Agar em pleno deserto e as mulheres dilaceradas pela saliva de Brômio, que eram chamadas de bruxas e não cabiam nas manhãs.

Por isso falo das filhas sem nome dadas como oferta ao estupro dos anjos, ou das mutiladas de Moçambique, das mulheres violentadas em Chihuahua ou das Estamiras, e não só delas: de todas as vozes incendiadas pelas linguagens totalitárias, que constroem porões e altares onde a alteridade deve ser banida, torturada, extinta.

Que possamos reler os textos entranhados na formação ocidental à luz da imagem do divino que se humaniza, em combate com tudo aquilo que nos escraviza, partidário da libertação dos povos, da fraternidade, da justiça social.

Divino que faz tombar a mesa da transcendência transformada em mercadoria, que vira essa mesa com as próprias mãos e toma partido dos excluídos, luta contra hipocrisia (especialmente a religiosa), contrário a qualquer linguagem que, em vez de servir à inteligência e à sensibilidade, serve à mentira, à indiferença, ao egoísmo (essa letra morta e assassina).

Divino que sai da posição autoritária e entra na história. E chora e sangra e ama e reparte: pessoa-nome refeita no alimento multiplicado e sempre transbordante nas redes da solidariedade.

O divino na humanidade. Quer dizer: o divino em nós. Eis a paixão. Eis o fogo que extermina o mal. Eis o nome.

 “O Demônio ofereceu por uma alma o mundo, Deus deu por uma alma a Si mesmo; se achardes quem vos dê mais por ela, dai-a” Padre Antônio Vieira


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s