POIESIS & SPIRITUS

SPIRITUS

Sonhei outro dia com uma aula a partir da palavra “spiritus”. “Spiritus” é um termo do latim que pode ser traduzido como “sopro”.
Algo é invisível e vital como “spiritus”. Algo é invisível e vital como o sopro (respiração). Elidimos a comparação. Sobra uma metáfora.

Espírito, portanto, é uma metáfora.

Ritmo e metáfora sustentam a linguagem poética. A poesia é a linguagem que estabelece relação com o desconhecido (invisível). A poesia é um ato e fabrica essa transição extraordinária entre o estabelecido e o desconhecido (invisível) e cria pra esse enigma um tipo de visibilidade. A poesia é o motor de toda a linguagem verbal.

A realidade é intocável. Dito de outro modo: o em si de algo é um enigma. As relações com esse enigma começam no poético. Tornar intimamente conhecido um enigma (o invisível, o desconhecido) é a aspiração do poético. Quando o poético ilumina essa região não vista e faz dela neblina ou clareira ou código, a filosofia pode estudá-la e a ciência pode torná-la útil. Mas nada é possível sem que se ouse tatear os sons até encontrar uma síntese, uma metáfora, a antecipação da palavra. A poesia é esse achado.

POIESIS

Fiz essa pequena introdução pra sublinhar a importância da história de uma palavra. A história da palavra poesia nos leva ao conceito de poiesis. Confeccionar algo a partir de uma matéria preexistente (fazer da argila um vaso, por exemplo) é a tradução aproximada do verbo que origina o conceito poiesis. O resultado desse ato de modelar, arrancar da matéria outra forma seria a poiesis. A ideia de poiesis como criação a partir de palavras e ideias surge muito tempo depois dessa primeira acepção.

Homero chama o tipo de composição que faz de canto, discurso, relato, não de poesia. Construir com engenho é o objetivo de alguém que ergue uma edificação ou molda uma  escultura, e esse é também o modelo de composição poética na sociedade em que a Odisseia foi composta. Os poetas se diziam aedos, não poetas. Aedo quer dizer “aquele que canta”, “cantor”.

No século V, surge uma distinção entre aquele que compõe e aquele que interpreta a composição, então o cantor continua a ser chamado de aedo e o compositor começa a ser chamado de poeta. A partir dessa distinção, surge em relação a poiesis, esse conceito abrangente de fabricação criativa, a noção de um artefato próprio do poeta, o poema.

O conceito de poiesis é muito fértil e tem muitos desdobramentos em estudos de literatura e de filosofia. Mais adiante, vamos falar um pouco de como ele aparece nas ideias de Aristóteles, Górgias e Platão.

PROPOSTA DE EXERCÍCIO

  • Escolha uma palavra.
  • Procure a etimologia dessa palavra.
  • Procure o contexto em que essa palavra era usada originalmente.
  • Relacione ao modo como ela é empregada atualmente.
  • Anote as ideias que surgiram a partir desse exercício.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s