a nudez inatingível que a poesia emoldura

ryan mcginley

imagem: foto de ryan mcginley

Diz a filósofa espanhola Maria Zambrano: “Filosofia e História marcham juntas para diante movidas pela vontade, enquanto que a poesia se submerge sob o tempo, desprendendo-se dos acontecimentos, em busca do primário e original; do indiferenciado, onde não existe nenhuma distinção.” (1). Bataille esquadrinha esse desejo pelo indistinto, pela continuidade. E a partir de alguns versos do poeta Arthur Rimbaud busca “tornar mais sensível a ideia de continuidade que quis salientar”: “A poesia conduz ao mesmo ponto como cada forma do erotismo; conduz à indistinção, à fusão dos objetos distintos. Ela nos conduz à eternidade, à morte, e pela morte, à continuidade: a poesia é l’éternité. C’est Ia mer allée avec le soleil.[…a eternidade. O mar de partida com o sol.]” (2). Penso também na oitava das Elegias de Duíno, de Rainer Maria Rilke, na tradução de Dora Ferreira da Silva. Cito um trecho: “… E olhai a indecisão do que deve/voar, expulso do seio. Espantado de si mesmo/fende o ar, taça partida. Assim risca o morcego,/no seu voo, a porcelana da tarde”. Mais um: “Ignoramos o que é contemplar um dia, somente/um dia o espaço puro, onde, sem cessar,/as flores desabrocham. Sempre o mundo,/jamais o em-parte-alguma, sem nada: o puro,/o inesperado que se respira, que se sabe/infinito, sem a avidez do desejo.” (3)

Há muita falta. E nessa falta está oculta a nudez inatingível que a poesia emoldura. Continuar lendo “a nudez inatingível que a poesia emoldura”